O primeiro passo para saber como cultivar orquídeas é tomar os devidos cuidados na correta identificação da planta, pois algumas necessitam de mais claridade que as outras e maior ou menor quantidade de água, dentre outros fatores  que iremos abordar a seguir.

As orquídeas podem ser cultivadas em vasos, pedaços de troncos ou galhos de árvores, placas de madeira ou qualquer outro apoio (preferência natural) para que possa vegetar. Por isso engana-se quem diz que a orquídea é um parasita, pois ela não suga a seiva dos apoios, ela apenas utiliza-se do local para se afixar.

Somente com a correta identificação da planta é que podemos saber qual é a melhor forma de cultivá-la.

A adubação também é um fator muito importante, já que as orquídeas estão acostumadas a vegetarem na natureza onde há abundância de nutrientes e adubos naturais que caem sobre as suas raízes e folhas.

 

 

Os adubos também devem ser estudados, pois existem muitas fórmulas destinadas a uma fase específica da vegetação.

Atualmente podemos encontrar no mercado alguns fabricantes de adubos próprios para as orquídeas.

Como mencionado acima, a quantidade de luz e de água são fatores muito importantes para as orquídeas, pois ao contrário de muitas outras plantas ela pode vir a morrer mais facilmente pelo excesso do que pela falta de água.

A luminosidade também não pode ser em excesso, pois o aconselhável é que as orquídeas recebam apenas cerca de 50% ou 70% do sol (o que chamamos de meia sombra).

A exposição direta ao sol pode desidratar as folhas que após ganharem um aspecto amarelado irão secar. Por isso o correto é que a orquídea receba bastante claridade e não o contato direto do sol.