Atualmente a ortografia oficial para concursos é a da reforma ortográfica que passou a valer desde o dia 1º de janeiro de 2009, que passou a vigorar no Brasil e demais países como Angola, Cabo Verde, Guiné Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste, unificando o idioma português.

Mesmo havendo um decreto assinado pelo presidente da república da época (Luiz Inácio Lula da Silva) considerando as duas formas de escrever até o ano de 2012, a grande maioria dos concursos passaram a exigir as novas regras desde a entrada em vigor da “reforma ortográfica”. Por tal motivo,  todo candidato deve ler atentamente o edital do concurso.

Os candidatos devem ficar atentos somente na escrita das palavras, pois a pronúncia das não sofreu nenhuma alteração.

Segue abaixo algumas alterações trazidas pela reforma:

 

 

As letra k/y/w passaram a fazer parte do alfabeto.

O trema não pode ser utilizado em nenhuma palavra, exceto em palavras estrangeiras ou derivados de palavras estrangeiras.

Não se acentua os ditongos abertos “ei” e “oi” das palavras paroxítonas.

Não se acentua o “i” ou “u” tônicos quando vieram depois de um ditongo.

Não se acentua as palavras terminada em “eem” e “oo”.

O uso do hífen deve ocorrer somente em algumas palavras. Dentre as diversas alterações não devemos usar o hífen se o prefixo terminar com a letra diferente daquela com que se inicia a próxima palavra. Exemplo: autoescola, antiaéreo, intermunicipal,semicírculo etc.

São muitas regras que envolvem o uso do hífen, por isso elas devem ser estudadas de uma maneira aprofundada para que não haja nenhuma dúvida na hora da prova. Bons estudos!