Os pronomes oblíquos exercem a função sintática de objeto direto e objeto indireto da frase.

Como já mencionado em artigos anteriores, objeto direto é uma palavra ou uma expressão que complementa o verbo transitivo direto. Já o objeto indireto é aquele que complementa o verbo transitivo indireto.

Os pronomes oblíquos possuem funções sintáticas de objeto direto ou indireto em uma frase. Observe:

Ele o achou (“o” representa o objeto direto da frase)

O verbo “achou” necessita de um complemento e o pronome oblíquo “o” está representando o objeto direto da frase, complementado o verbo.

O mesmo ocorre com as frases “vou encontrá-lo”,” encontraram-no”.

Já nas seguintes frases os pronomes oblíquos exercerão a função de objeto indireto da oração. Veja:

Já-lhe entreguei o dinheiro (“lhe” representa o objeto indireto)

O verbo “entreguei” da mencionada frase necessita de um complemento que consequentemente necessitará de uma preposição, pois o dinheiro foi entregue “a” alguém, “a” ele ou “a” ela.

O mesmo ocorre com a frase “semana que vem eu te telefono” (verbo telefonar exige preposição – telefona a ele ou a ela/para ele para ela).

Observem que para identificar a função sintática dos pronomes é necessário verificar se o verbo exige uma preposição.

 

 

Para isso, substituía o pronome oblíquo pela palavra “você”. Note:

Eu te admiro = Eu admiro você.

Trata-se de um objeto direto, pois não existe preposição na frese.

Agora veja:

João te mandou um presente = João mandou um presente a você.

Ao acrescentar a palavra “você” necessariamente a preposição “a” teve que ser empregada na frase e por tal motivo trata-se de um objeto indireto (ligado por preposição).